lft-logo

Falecimento do Prof. Miguel Serpa Pereira (COM)

04/02/2019

Nota de falecimento

É com profunda tristeza e pesar que recebemos a notícia do falecimento do nosso estimado e querido PROFESSOR MIGUEL PEREIRA. Nossa eterna gratidão a este grande homem, que dedicou sua vida ao Departamento de Comunicação da PUC-Rio. Que o Bom e Misericordioso Deus o acolha na pátria definitiva e eterna. Nossa solidariedade aos seus familiares e amigos.

Pe. Josafá Carlos de Siqueira S.J. - Reitor da PUC-Rio

Missa de Sétimo Dia

A Missa será realizada no dia 11/02/2019, às 18h, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, na PUC-Rio.

Nota do Departamento de Comunicação Social

Nós, do Departamento de Comunicação Social, lamentamos profundamente o falecimento do querido Professor Miguel Serpa Pereira, a quem devemos boa parte da nossa história e memória. O Professor Miguel sempre desempenhou papel de suma importância no desenvolvimento e na harmonia de nosso Departamento. Aos familiares, nossos melhores sentimentos nesse momento difícil.

O velório será [...] dia 05/02, no Cemitério da Penitência [Caju], das 11 às 15h.

Prof. Leonel Azevedo de Aguiar, diretor do Departamento de Comunicação Social

Mensagem da Vice-Reitoria Acadêmica

Com muita tristeza, recebemos a notícia do falecimento do estimado Prof. Miguel Pereira, que deixa um legado imenso ao Departamento de Comunicação Social e à PUC-Rio. 

Nossa solidariedade aos familiares, colegas e amigos, e nossas preces pelo Prof. Miguel, que agora descansa após tão longa enfermidade. 
 
Prof. José Ricardo Bergmann, Vice-Reitor para Assuntos Acadêmicos

Mensagem da Vice-Reitoria Administrativa

O falecimento do Professor Miguel Pereira é motivo de muita tristeza. Sempre foi uma pessoa excepcional, que deixará muitas saudades. Sua presença profissional e humana não poderão ser repostas.

Pedimos a Deus que o acolha e levamos aos familiares as nossas condolências.

Prof. Luiz Carlos Scavarda do Carmo, Vice-Reitor Administrativo

Mensagem do Decanato do CCS

O Decanato do CCS manifesta à família do nosso querido MIGUEL. aos professores e funcionário Departamento de Comunicação Social o profundo pesar por esta perda inestimável.

MIGUEL foi um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento do Departamento de Comunicação Social, pela qualidade dos cursos de graduação, pela implantação da pós-graduação, pela abertura da graduação de Cinema, pelos excelentes trabalhos sociais e comunitários e pela importante colaboração com a Arquidiocese do Rio de Janeiro. MIGUEL foi uma presença importante no Conselho Departamental do CCS e em outros colegiados. 

E, principalmente, MIGUEL foi uma pessoa que sempre representou o espírito humano e solidário de nossa PUC-Rio.

Que MIGUEL descanse em Paz.

Prof. Luiz Roberto Cunha, Decano do CCS 

Mensagem do Decanato do CTCH

Lamentamos profundamente o falecimento do Prof. Miguel Pereira, do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio. Em nome do Decanato do CTCH, expressamos nossa solidariedade à família, aos amigos e colegas do Departamento.

Prof. Júlio Cesar Valladão Diniz, Decano do CTCH

Nota da Profa. Margarida de Souza Neves, coordenadora do Núcleo de Memória da PUC-Rio

Queridos colegas e queridos Alina, João, Silvinha, Daniel e Peter

Depois de semanas de sol e luz de verão, a segunda feira amanheceu cinzenta e triste.  Quando cheguei à PUC, chovia de mansinho e as folhas pareciam chorar.  Tinham motivo.  Na madrugada, depois de anos de luta corajosa contra a doença, o Miguel morreu.  Era de se esperar que a natureza, a PUC-Rio inteira, seus professores, funcionários e os alunos que o conheceram chorassem diante da mais radical das despedidas.

É difícil olhar para o elevador do Kennedy e saber que o Miguel já não desembarcará dele com seu indefectível colete de jornalista, os muitos bolsos repletos das memórias do Departamento de Comunicação que ele orquestrou por tantos anos e ajudou a construir junto com seus colegas de Departamento.

Miguel não fazia barulho, não era de briga, mas nunca fugiu de responsabilidades ou refugou diante de nenhuma das muitas tarefas que lhe foram solicitadas e sabia como poucos navegar com tranquilidade em águas serenas ou em mar revolto. 

Não me lembro bem quando, mas em alguma das crises que passamos, estávamos ele, eu e um grupo de professores numa acalorada discussão nos pilotis que sempre foram a Ágora da PUC, todos falando ao mesmo tempo e ele em silêncio, ouvindo.  A horas tantas eu disse meio a brinca meio a sério, me dirigindo a ele:  “Gente!  Vamos ouvir o que pensa o Miguel, esse Nosso Senhor Desatador de Nós!”,  ao que ele respondeu de prima:  “Cadê a espada, menina!  Esse nó é um nó Górdio!”  E a tensão se desmanchou em gargalhadas.  Naturalmente, a partir daí passamos a ter uma espécie de código secreto quando nos encontrávamos em meio a algum conflito ou diante de um impasse.  Olhávamos um para o outro e perguntávamos:  “É Górdio??”.  E outra vez o riso, que ninguém entendia, nos ajudava a relativizar o que quer que viesse.

Na segunda feira à tarde tivemos reunião de equipe no Núcleo de Memória.  Dedicamos um tempo a olhar e comentar, já com saudades, as muitas fotos em que o Miguel aparece e que estão cadastradas no acervo do Núcleo.  Foi bonito rever e mostrar aos bolsistas de IC as muitas facetas de um Miguel que aparecia na sequência de imagens de longas costeletas e vasta cabeleira; fumando enquanto presidia uma mesa de debates no Sumaré; de calça boca de sino; sem e com o bigode que assumiu em homenagem ao avô; na PUC-Rio; no júri do prêmio Margarida de Prata distribuído pela CNBB; no Cine Odeon; sempre ativo mesmo quando já fragilizado pela doença; em sala de aula e em muitíssimos eventos promovidos pelos mais diversos Departamentos, Núcleos, setores, grupos e professores, prova cabal e involuntária de que sabia como poucos viver e valorizar a Universidade como um todo e em cada uma de suas facetas.

Miguel sempre foi querido por todo mundo.  Lembramos dele como um profissional competente, um crítico de cinema respeitado, um professor muito próximo, um grande administrador, um amigo querido.  E, sobretudo,  o Miguel foi um homem bom.

Nós sabemos Alina, João, Silvinha e Daniel que vocês, mais e melhor do que nós,  vão contar ao Peter, o neto muito amado que, aos seis ano, já quer seguir os passos do avô, muitas histórias sobre o Miguel.  Digam que o avô dele vai ser sempre lembrado com carinho, com respeito e com gratidão por quem teve a sorte de conviver com ele pela vida afora.  Porque é verdade que ele tinha dentro dele todos os sonhos do mundo, tal como escreveu de si mesmo Fernando Pessoa na frase que vocês escolheram para resumir o que o Miguel foi em vida.

Um beijo triste

Guida

Comentário do Prof. Pe. Paul A. Schweitzer S.J. (MAT)

Querida Guida, muito obrigado por esta lembrança tão verdadeira e cheia de vida de Miguel.

Mensagem do Departamento de História

Em nome do Departamento de História manifesto nosso profundo pesar pelo falecimento de nosso querido colega Miguel Pereira. Nosso carinho e solidariedade a toda a sua família, amigos e colegas do Departamento de Comunicação por essa inestimável perda.

Profa. Maria Elisa Noronha de Sá, Diretora do Departamento de História

Mensagem do Departamento de Psicologia

Realmente uma notícia muito triste. Fica a lembrança de uma pessoa muito  querida sempre disposta a ajudar. Uma grande perda para todos nós. 

Em nome do Departamento de Psicologia, nossos sinceros pêsames aos seus alunos, colegas, amigos e familiares.

Prof. J. Landeira-Fernandez, Diretor do Departamento de Psicologia

Mensagem do Departamento de Serviço Social

É com grande tristeza que recebemos a noticia do falecimento do querido professor e amigo, Miguel Pereira. Em nome do Departamento de Serviço Social , expressamos nossa solidariedade e carinho à família e colegas do Departamento de Comunicação Social. 

Profa. Andréia Clapp Salvador, Diretora do Departamento de Serviço Social 

Mensagem do Departamento de Ciências Sociais

É com muita tristeza que todos nós de Departamento de Ciências Sociais recebemos a notícia do falecimento do Prof. Miguel Pereira, nosso querido amigo.

Referência obrigatória pelo seu trabalho no desenvolvimento da comunicação interna e externa da PUC-Rio, o Prof. Miguel Pereira é exemplo de dedicação, seriedade e competência profissional, sem nunca perder a leveza e o bom humor que marcaram sua trajetória nesta universidade.

Registro aqui nossa solidariedade à família, amigos e aos colegas do Departamento de Comunicação Social.

Prof. Ricardo Ismael, Diretor do Departamento de Ciências Sociais

Mensagem do Departamento de Geografia e Meio Ambiente

É com muito pesar que recebemos a notícia do falecimento do Prof. Miguel Pereira. Toda a comunicação interna e externa da PUC em certa medida tem a sua mão, o seu trabalho. 

Em nome dos profesores do Departamento de Geografia e Meio Ambiente envio a nossa solidariedade à família e aos colegas do Departamento de Comunicação Social.

Prof. Rogério Ribeiro de Oliveira, Diretor do Departamento de Geografia e Meio Ambiente

Mensagem do Departamento de Direito

Em nome do Departamento de Direito, manifesto o pesar pelo falecimento do nosso colega e amigo Miguel Pereira, uma referência profissional e pessoal para nossa instituição, um dos responsáveis pela construção da PUC-Rio que conhecemos hoje.

Meus sinceros sentimentos à família e aos amigos de Miguel Pereira. 

Prof. Francisco de Guimaraens, Diretor do Departamento de Direito

Mensagem da Coordenação Central de Estágios e Serviços Profissionais

Miguel foi um grande colega de trabalho, amigo leal e sempre muito colaborador. Um conciliador nato, dada sua natureza bondosa e caridosa. Vai deixar muitas saudades. Uma grande perda para todos nós da PUC-Rio.
 
Em nome da equipe da Coordenação de Estágios e Serviços Profissionais, nossos pêsames aos parentes e colaboradores do Departamento de Comunicação Social/Comunicar.
 
Prof. André Lacombe Penna da Rocha, Coordenador da CCESP

Mensagem do Prof. José Ribas Vieira (COM)

Miguel Pereira era humanista, traduzia o diálogo. Hoje a PUC perde uma de suas lideranças. Estou impactado com a morte do nosso Miguel Pereira. Que sua figura fique para sempre entre nós.

Mensagem do Prof. Gustavo Sénèchal, Assessor Jurídico da Reitoria

É uma grande perda. A PUC perde um grande professor e seus amigos sentirão a falta de um colega sempre cordial e fraterno.

Meu abraço à família.

Notícia publicada no Jornal da PUC

Morre professor Miguel Pereira, do Departamento de Comunicação Social

04/02/2019 - Vinícius Nóbrega

O velório será nesta terça-feira, 5, no Cemitério da Penitência, na Rua Monsenhor Manuel Gomes, sala 3, no Caju, das 11h às 15h

O professor Miguel Serpa Pereira, do Departamento de Comunicação Social, morreu na manhã desta segunda-feira, 4, aos 78 anos. Há quatros anos ele lutava contra um câncer. Um dos responsáveis pela criação da pós-graduação em Comunicação Social da PUC-Rio, Miguel Pereira trabalhava na Universidade desde 1975, onde atuou como docente e diretor do Departamento. Atualmente coordenava o Comunicar, projeto do qual foi um dos fundadores há 31 anos. O velório será nesta terça-feira, 5, no Cemitério da Penitência, na Rua Monsenhor Manuel Gomes, sala 3, no Caju, das 11h às 15h.

Casado há 51 anos com Alina de Lourdes Mesquita Pereira, Miguel teve três filhos: João Mesquita Pereira, Silvia Mesquita Pereira e Daniel Mesquita Pereira, também docente do Departamento de Comunicação Social. Era avô de Peter, filho do João. Miguel era graduado em Filosofia pelo Curso Superior de Filosofia do Seminário Arquidiocesano de São José do Rio Janeiro, licenciado em Ciências Sociais pela Faculdade de Educação da UFRJ e Bacharel em Ciências Sociais pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da mesma universidade. 

Doutor e Mestre em Artes-Cinema pela Escola de Comunicações e Artes (ECA), da USP, o professor era um apaixonado pela sétima arte. Trabalhou como crítico de cinema no Jornal O Globo entre 1966 e 1983. Também atuou como repórter da revista Manchete e do semanário Domingo Ilustrado, de 1971 a 1973. Pela contribuição ao cinema nacional e por ter sido um incentivador de produções universitárias, foi homenageado em 2017, na comemoração dos 20 anos do Festival Brasileiro de Cinema Universitário.

No mesmo ano, foi condecorado com a menção honrosa Ir. Dorothy Stang, pela sua atuação durante muitos anos na organização do Prêmio Margarida de Prata, concedido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. O presidente da Comissão de Comunicação da CNBB, Dom Darci José Nicioli, emitiu uma nota de gratidão pelos serviços de Miguel Pereira. “Nós, os comunicadores da Igreja no Brasil, nos levantamos para aplaudir a vida desse homem cheio de fé, dedicado a seu ofício e esperançoso de Deus!”, escreveu.

O diretor do Departamento de Comunicação Social, professor Leonel Azevedo de Aguiar, ressaltou a atuação de Miguel para o crescimento do curso de Comunicação na Universidade: “O professor Miguel sempre desempenhou papel de suma importância no desenvolvimento e na harmonia de nosso Departamento”.

O Reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira S.J., também destacou o trabalho do professor em mais de 40 anos na Universidade. “Nossa eterna gratidão a este grande homem, que dedicou sua vida ao Departamento de Comunicação da PUC-Rio. Que o Bom e Misericordioso Deus o acolha na pátria definitiva e eterna. Nossa solidariedade aos seus familiares e amigos”.

Em mensagem divulgada, o decano do Centro de Ciências Sociais, professor Luiz Roberto Cunha, lembrou que Miguel Pereira foi um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento do Departamento de Comunicação, pela qualidade dos cursos de graduação, pela implantação da pós-graduação, pela abertura da graduação de cinema. “Pelos excelentes trabalhos sociais e comunitários e pela importante colaboração com a Arquidiocese do Rio de Janeiro, Miguel foi uma presença importante no Conselho Departamental do CCS e em outros colegiados”.

Da mesma forma, o Decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH), professor Júlio Diniz, lamentou a morte do professor e expressou solidariedade à família, aos amigos e colegas do Departamento.

Matéria da TV PUC - Uma vida dedicada ao cinema e à educação - 04/02/2019

Matéria da Rádio PUC - Cinema perde o talento e o carisma do crítico Miguel Pereira - 04/02/2019

Professor do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, ele colaborou durante anos com o programa Revista Jovem.

Matéria publicada no site do jornal O Globo, 04/02/2019

Morre no Rio o crítico de cinema e professor da PUC-Rio Miguel Pereira

Pereira integrou a equipe de críticos do GLOBO de 1966 a 1983

RIO - Morreu na manhã desta segunda-feira, aos 78 anos, o crítico de cinema e professor da PUC-Rio Miguel Pereira. Doutor em Artes-Cinema pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, Pereira foi crítico de cinema do GLOBO de 1966 a 1983. Há cerca de quatro anos lutando contra um câncer no intestino, o crítico faleceu em casa, depois de algumas internações.

Professor da graduação do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio desde 1975 e da pós-graduação desde 2003, ele coordenou o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da universidade de agosto de 2005 a março de 2015. Também exerceu a coordenação geral do Projeto Comunicar, da Vice-Reitoria Comunitária da PUC-Rio, entre 2010 e março de 2015 e de 2017 até novembro passado, quando foi obrigado a se afastar por problemas de saúde. No Comunicar, que ajudou a fundar, na década de 1990, foi responsável pela formação de gerações de jornalistas, que sob sua coordenação e dos também professores Fernando Ferreira e Cesar Romero Jacob, produziam o Jornal da PUC.

Bacharel em Ciências Sociais pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ e graduado em Filosofia pelo Curso Superior de Filosofia do Seminário Arquidiocesano de São José do Rio de Janeiro, ele foi repórter da revista Manchete e do semanário Domingo Ilustrado, onde também foi crítico de cinema, de 1971 a 1973.

Em outubro do ano passado, num debate sobre a crítica no cinema realizado no auditório do RDC, na PUC, Miguel Pereira falou sobre sua experiência pessoal, como noticiou o Jornal da PUC: "Não adianta ser crítico de cinema só por ser. Tem que ter um fundamento, uma base; uma cultura grande e elaborada; uma cultura filosófica; e uma cultura cinematográfica. Não dá para fazer crítica sem conhecer os grandes filmes da história do cinema. É essencial ter essa cultura de filmes, não só do cinema puro, do sistema, mas de filmes singulares. Esses filmes que fazem a linguagem avançar. Ser crítico é bom. Posso dizer isso com toda certeza. É uma atividade que você não tem como largar nunca. Você tem que escrever sobre cinema a vida inteira e tem que experimentá-lo a vida toda".

No aniversário de 70 anos do Bonequinho do GLOBO, Miguel Pereira escreveu sobre como foi fazer parte da equipe de críticos do jornal: "Nos quase 18 anos em que escrevi críticas de cinema no GLOBO, não tenho ideia exata de quantos Bonequinhos atribuí. Durante esse tempo, peguei pela frente e esculhambei muito kung fu e muita pornochanchada que hoje até viraram cult para alguns admiradores. Sobre esses, não mudei meu julgamento. Sobre outros filmes, certamente, escreveria de outro modo", contou, antes de finalizar: "Às vezes, pela pressa da escrita, saía do cinema direto para a redação e em duas horas deveria entregar o texto. Posso ter cometido erros de avaliação em relação ao Bonequinho. Feitas as contas, considero que minha participação na coluna foi positiva, muito prazerosa e me formou no campo do cinema".

Em nota, o reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, lamentou a morte do professor: "Nossa eterna gratidão  a este grande homem, que dedicou sua vida ao Departamento de Comunicação da PUC-Rio. Que o Bom e Misericordioso  Deus o acolha na pátria definitiva  e eterna. O diretor do Departamento de Comunicação, professor Leonel Azevedo de Aguiar, também emitiu nota, destacando dever a Pereira "boa parte da nossa história e memória". "O Professor Miguel sempre desempenhou papel de suma importância no desenvolvimento e na harmonia de nosso departamento", diz a nota.

Prof. Miguel Pereira. 2017. Fotógrafa Fernanda Maia. Acervo Comunicar.
Prof. Miguel Pereira. 2017. Fotógrafa Fernanda Maia. Acervo Comunicar.